HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS: QUANTO CUSTA UM ADVOGADO(a)?

Muitas pessoas ainda têm receio de buscar ajuda de um advogado por acreditar que os honorário são onerosos, ou não saberem quanto custa a contratação de um advogado.

Em nossa sociedade a advocacia é uma das atividades essenciais para a administração da justiça, conforme dispõe nossa Carta Magna, a Constituição Federal – CF/88.

Nela está contido os direitos do cidadão e os limites impostos aos governantes.

Dessa forma, o artigo 133 da CF, colocou o advogado como sujeito indispensável a administração da justiça. Sendo ele defensor das leis e detentor da capacidade de postular os interesses das pessoas em juízo e até fora dele, zelando pelo bom cumprimento das leis e por uma sociedade mais justa e democrática.

Assim, frases do tipo:

“Advogado custa caro!”

“Deixa isso pra lá!”

“Não mexe com isso, não vale a pena!”

Devem ser abolidas do nosso vocabulário.

Na dúvida…

Não complique! Não se arrisque! Consulte um advogado.

Ele é o profissional capaz de indicar o melhor caminho, tornando o custo de seus serviços compatível com a tranquilidade que você busca.

Decidido pela segurança ?

Vamos entender o que é, e como funciona a cobrança dos honorários advocatícios.

O que são honorários advocatícios?

Inicialmente, precisamos definir o que são honorários.

Atualmente, os honorários advocatícios estão previstos pelo Estatuto da Advocacia e da OAB que preconiza o seguinte:

Art. 22. A prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários convencionados, aos fixados por arbitramento judicial e aos de sucumbência.o  custa um advogado

Os honorários convencionados que trata esse artigo, refere-se a remuneração acordada entre contratante (cliente) e contratado (advogado) que firmam tal compromisso por meio de contrato.

Ao precificar seus honorários, o advogado deverá observar se o valor está dentro do mínimo estabelecido pela sua seccional da OAB.

Profissionais que cobram honorários abaixo da tabela de honorários da OAB estão infringido o Código de Ética e Disciplina da OAB, ou seja, aquele que não cumpre essa tabela de valores mínimos está agindo de forma anti-ética o que mancha sua integridade como profissional do direito.

Ficando aqui já uma dica!

Advogado que não respeita os valores mínimos estipulados em tabela pela OAB está transgredindo a ética profissional, pois abre precedentes de concorrência desleal para com os colegas, além de por em dúvidas a qualidade da prestação de seus serviços.

O que o advogado leva em consideração ao fixar o valor dos honorários um advogado

Ao fixar o valor de seus honorários, o advogado leva em consideração uma série de fatores que influenciam no custo de seus serviços, quais sejam: atividade intelectual, despesas fixas da atividade, tributos e por último o lucro propriamente dito.

Ao se analisar os valores cobrados pelo profissional de direito, a que se levar em consideração o tempo que o advogado irá dedicar para cumprimento dos serviços, pois se o caso for de demanda judicial, é sabido que o desfecho desta pode durar meses ou até anos, a depender da complexidade do caso, sendo que o advogada dará a devida manutenção no processo por todo esse período.

Sendo assim, é importante que no ato da contratação você tenha ciência de todos o trabalho que o advogado irá dedicar a sua demanda. E a partir disso, você compreenderá a composição dos valores cobrados e entenderá que o custo/benefício estão em harmonia.

Lembre-se: A advocacia é uma atividade relevante e especializada.

Ainda tem dúvidas quanto custa um advogado?

Deixe seu comentário ou entre em contato.

Lei também: Resolução de Conflitos: Quais as Alternativas?

14 comentários em “HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS: QUANTO CUSTA UM ADVOGADO(a)?”

  1. Obrigado Dra. Enmanuely, não dá para prescindir de um defensor, especialmente na atual conjuntura. Sucesso e que Deus te abençoe sempre!

    Responder
  2. Parabéns, ótimo texto. A população precisa realmente consultar um advogado, na maioria das vezes perdem seu direito por evitar uma consulta com o profissional.

    Responder
  3. Muito pertinente seu texto, são informações necessárias para nós leigos.
    Parabéns vou acompanhar a todos os informativos.

    Responder
  4. Muita bom o texto, acho que também somos essenciais àqueles que não querem litígio. Devemos atuar principalmente, antes que o negócio vire um litígio.

    Responder

Deixe um comentário