A publicação do Antes e Depois foi autorizada ?

quinta-feira, 26/09/2019 às 16h11min
A publicação do Antes e Depois foi autorizada ?

Circulou recentemente na internet, principalmente nas redes sociais, que a publicidade médica e o tão debatido “Antes e Depois” estariam AUTORIZADOS a partir de 20 de setembro de 2019, em razão da lei n° 13.874/2019, que dispõe sobre os direitos da liberdade econômica. O que NÃO é verdade.

No entanto, essa notícia gerou muita dúvida e discussão entre os  profissionais de medicina e do direito.

Entenda o caso da Publicidade Médica

A lei dos direitos da liberdade econômica sancionada no último dia 20 estabelece garantias para o livre mercado com o objetivo de diminuir a burocracia nas atividades econômicas e facilitar a abertura e o funcionamento de empresas. (Saiba mais)

No entanto, tal lei não afeta a publicidade médica por duas razões principais.

Primeiro, a publicidade médica já é regulamentada através do Decreto-Lei nº 4.113/42, e que apesar de antigo continua em vigor. Nele consta proibição expressa a anúncios, sendo permitido apenas a queles que possuam caráter educativos (art. 8º, Decreto-Lei 4.113/42).

Segundo, insta salientar, que atividade médica NÃO é uma atividade econômica, propriamente dita, ela é antes de mais nada, uma atividade que tem como objetivo primordial a promoção da saúde, seja ela em caráter individual ou coletivo.

Assim, a interpretação de alguns juristas em face da liberação de publicação de “antes e depois” pelos profissionais de medicina é totalmente equivocada, tendo como fundamentação jurídica as legislações já vigentes e o fato da atividade médica não se enquadrar como atividade econômica.

Competência Normativa

O Conselho Federal de Medicina  os Conselhos Regionais de Medicina, em conjunto, constituem uma autarquia com personalidade jurídica de direito público, e possuem atribuições constitucionais de fiscalização e normatização da prática médica, além de exercer um papel político, pois constantemente podem atuar junto ao poder público visando garantir melhores condições da saúde para a população.

Dentre as competências destes órgãos estão a supervisão da ética profissional, sendo os julgadores e disciplinadores da classe médica. Cabendo ainda zelar pelo perfeito desempenho ético da medicina e pelo prestígio e bom conceito da profissão – Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957.

Dessa forma, o Conselho Federal de Medicina possui competência para normatizar a publicidade e outras temas relacionados a atividade médica.

Portanto, não acredite em tudo que vê na internet, e muito menos dissemine uma informação antes de checar a fonte – E na dúvida procure sempre orientação de um profissional qualificado.

Veja o posicionamento do CFM a esse assunto – Nota de Esclarecimento.

Gostou do texto? Comente. Compartilhe

Faça essa informação chegar ao maior número de pessoas.

Quer sugerir um tema? Entre em contato.


Deixe uma resposta

Estamos felizes por você colobora nos comentários desta publicação. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.